Category Archives: Linux

Nvidia legacy no Debian 11

Como sabem o Debian 11 foi lançado no ano passado, no mês de agosto. Desde então, estava protelando para atualizar, visto que a placa de vídeo do meu notebook não seria mais suportado pelo Bullseye, a nova versão do Debian.

De antemão, gostaria de deixar claro que a falta de suporte ao pacote da Nvidia não é culpa dos desenvolvedores do Debian GNU/Linux.

O motivo da falta de suporte foi devido as falhas informado pela equipe de segurança do Debian. Acredito, que também, a evolução da tecnologia, hardware entre outros, as placas Nvidia que precisam do pacote nvidia-legacy-340xx-driver perderam o suporte na última versão do Debian. Porém, o suporte aos drivers free Nouveau e Mesa continuam, pelo menos com o suporte, mas no meu caso não funcionou perfeitamente com a antiga placa de vídeo Nvidia que possuo no notebook, uma Nvidia 9300M GS.

No último final de semana, foi que eu decidi atualizar o meu Debian 10 para a última versão lançada. O meu Buster (nome do Debian 10) estava redondo, funcionando perfeitamente, da forma que eu configurei e personalizei. Porém, em busca das melhorias de softwares eu quis atualizar para o Bullseye. Como sempre a atualização é super amigável, basta apenas alterar a source.list com o nome da nova versão do Debian, executar os comandos> sudo apt updade && sudo apt upgrade.

Já tinha lido relatos na internet sobre o sucesso da instalação do pacote nvidia-legacy-340xx-driver no Debian 11. Só não me atentei para qual versão do Debian que estavam descrito, no caso o SID – versão instável do Debian utilizada para o desenvolvimento do mesmo. Para saber mais: https://www.debian.org/releases/index.pt.html

Sempre utilizei a versão estável do Debian. Sempre me atendeu em todos os aspectos pessoal, profissional. Mas, para contornar esse problema, tive que atualizar para a versão instável. Versão, que por sua vez é utilizada por muitas distribuições estáveis, que possui a características de terem softwares mais recentes.

Mesmo não sendo recomendado pela equipe do Debian, instalei o pacote nvidia-legacy-340xx-driver para a minha Nvidia que está funcionando perfeitamente. Abri mão de um maior controle e segurança pois infelizmente os drivers free Nouveau e Mesa não me atende. Ocorreu muito travamento, congelamento no qual é necessário força o desligamento da máquina, desempenho, entre outros. Vi em algumas postagens de usuários pela internet que também ocorreram com o mesmo ambiente gráfico que utilizo, o XFCE. Não testei com outros, então, já parti para a atualização da minha source.list e instalação maravilhosa do pacote proprietário dos drivers Nvidia da minha placa de Vídeo. Hoje, “rodando redondinho”. 😛

Portanto, caso tenha algum hardware do seu equipamento que não tenha mais suporte e seja possível instalar, “rodar” tranquilamente com a versão instável do Debian, eu recomendo utilizar tal versão sem dor de cabeça. Ou então, adquira um hardware melhor, o que não tem necessidade no meu caso já que esse notebook é utilizado apenas em casos específicos de lazer e pequenos trabalhos.
Existe também a possibilidade de não atualizar e ficar com o Debian 10, versão anterior que enquanto as atualizações de segurança estejam sendo fornecidas pela equipe oficial continua recebendo suporte. Após esse período, o projeto LTS – suporte de longo prazo que não é administrado pela equipe de segurança do Debian assume para estender a vida útil de todos os lançamentos estáveis do Debian para (pelo menos) 5 anos. Então é isso. Até um breve encontro.

Sobre as referências do que foi escrito, segue alguns links para maiores detalhes:

https://www.debian.org/releases/index.pt.html

https://wiki.debian.org/DebianReleases

https://www.debian.org/devel/testing.pt.html

https://wiki.debian.org/LTS

https://wiki.debian.org/NvidiaGraphicsDrivers

https://www.linuxcapable.com/pt/how-to-install-or-upgrade-nvidia-drivers-on-debian-11-bullseye/

AFK

DeaDBeeF – O melhor reprodutor de música para Linux

Há algum tempo estou em busca de um player como o Foobar (meu player favorito, porém disponível apenas para windows) que possui algumas características essenciais para de uso. Dentre elas posso citar: totalmente personalizável, estrutura por pastas e leve. Encontrei, testei e gostei do DeaDBeeF.

O DeaDBeeF é uma player leve como dito anteriormente leve, usa pouca memória ram, é escrito em Ce C++ totalmente customizável pois seu design é totalmente personalizável, possui vários plugins com recursos  extras, suporta uma gama enorme de formatos sem contar que é multiplataformas, possui versão também para Android.

Recursos do DeaDBeeF (longe de ter todos os recursos)

  • mp3, ogg vorbis, flac, macaco, wv / iso.wv, wav, m4a / mp3 (aac e alac), mpc, tta, cd áudio, e muitos mais
  • nsf, ay, vtx, vgm / vgz, spc e muitos outros formatos populares de chiptune
  • Tags unicode totalmente suportadas (tanto utf8 quanto ucs2)
  • Suporte à cuesheet (arquivos .cue), incluindo detecção / conversão de charset
  • Tela limpa e rápida usando GTK2 e GTK3, você escolhe o que mais gosta!
  • Nenhuma dependências do GNOME ou do KDE
  • Minimização para a bandeja do sistema, com controle de volume de rolagem, etc
  • Arrastar e soltar, tanto na playlist quanto em outros aplicativos
  • Controle a reprodução a partir da linha de comando
  • Para maiores informações sobre o recursos: http://deadbeef.sourceforge.net/about.html

Instalação

  • Arch Linux e derivados

sudo pacman -S deadbeef

  • Debian e derivados

#Instale Repositório PPA: sudo add-apt-repositorio ppa: starws-box / deadbeef-player

#Atualize o sistema: sudo apt-get update

#Instale o pacote do player: sudo apt-get install deadbeef

Depois de instalado personalize a sua maneira e use o melhor player para Linux para as minhas necessidades.

AFK

Dica: Update Pacman 4.1

Olá pessoal, hoje venho compartilhar uma pequena dica com vocês. Pela manhã fui atualizar o meu Arch e me deparei com a seguinte mensagem:

erro: falha ao preparar a transação (não foi possível satisfazer as dependências)
:: package-query: requer pacman<4.1

Para contornar isso, que a meu ver não se caracteriza como quebra de pacote, primeiro removi o pacote conflitante e suas dependências, no caso:

pacman -R package-query yaourt

Em seguida atualizei o sistema:

pacman -Syu

Depois, renomeei o pacman.conf.pacnew:

mv /etc/pacman.conf.pacnew /etc/pacman.conf

Atualizei novamente o sistema com a nova configuração do pacman.conf:

pacman -Syu

E para finalizar, instalei novamente o yaourt e package-query.

Dica: Quando ocorre algo dessa forma ou parecido com algum pacote, primeiro eu removo o pacote conflitante com suas dependências e faço a atualização, caso seja bem sucedida a atualização instalo novamente o pacote removido.

Nada demais não é mesmo?

 

AFK

Arch Linux – Instalação e Pós-Instalação do Início ao Fim – Nova Mídia

Olá pessoal.
Não é de hoje que recebemos, lemos, escrevemos algumas reclamações tanto nas atualizações quebradas e agora com o novo processo de instalação do Arch Linux.
Quando eu li e vi o novo método, que jogou ainda mais a responsabilidade para o usuário, também pensei que iria dificultar mais ainda a vida dos novos usuários, e até alguns intermediários. Levando em conta ainda, que o ser humano não gosta de sair da sua “zona de conforto” e coloca muitas barreiras para mudanças, já imaginava que iriamos ter revoltas.
Minha opinião (já iniciando assim), creio que a nossa documentação (Inglês) não deixa a desejar, confesso que pecamos na demora da tradução para o nosso idioma, visto o alto número de entusiastas que deseja o prato feito e a falta de colaboração.
Apenas hoje fiz a instalação do zero do Arch via nova mídia, e não achei esse bicho que sete cabeças que tantos falam. Existe algumas modificações que, seguindo a documentação conseguimos instalar o sistema sem nenhum erro/raiva. A minha instalação foi feita no Netbook HP Mini 110-3150BR, meu utilitário e cobaia. Ainda irei fazer o mesmo no Notebook.

Após download, queimar a imagem (no meu caso passei para o pendrive) e dar o boot:

Configuração do Teclado

loadkeys br-abnt2

Configurando a Rede – Internet

No meu caso respondeu, então tudo ok! Próxima etapa

ping -c 3 www.google.com

Caso, tenha que configurar um ip estático, verifique o dispositivo

ifconfig -a

(Ex: enp0s1, systemd agora renomeia o nome das placas, caso não queira renomear ln -s /dev/null /etc/udev/rules.d/80-net-name-slot.rules)

ip link set enp0s1 up

ip addr add IP/MÁSCARA dev enpos1

Gateway – IP Fixo 

ip route add default via IP_GATEWAY

Configurando a Rede – DNS

nano /etc/resov.conf
search google.com.br
nameserver 8.8.8.8
nameserver 8.8.4.4

Particionando e preparando o disco

Particione de acordo a sua preferência. No meu caso vou utilizar:

cfdisk /dev/sda
raiz: /                            /dev/sda7
home: /home            /dev/sda8
swap:   swap               /dev/sda9

Formatar a partição raiz /

mkfs.ext4 /dev/sda7

Formatar a partição /home

mkfs.ext4 /dev/sda8

Preparando a partição swap

mkswap /dev/sda9 && swapon /dev/sda9

Montar a partição raiz em /mnt

mount /dev/sda7 /mnt

Montar a partição home

mkdir /mnt/home && mount /dev/sda8

Instalando o Sistema

pacstrap /mnt base base-devel

Criando o fstab: genfstab -U -p /mnt >> /mnt/etc/fstab

Pós-instalação – Sistema Chroot

A partir de agora iremos alterar o sistema instalado anteriormente:

arch-chroot /mnt

Configurar nome da máquina – hostname

echo nome_da_maquina > /etc/hostname

Configuração do Teclado

Antes estávamos no Live-CD, agora é permanente, no sistema instalado.

loadkeys br-abnt2

Configuração do idioma

nano /etc/locale.gen

Remova a # da frente das seguintes linhas:

pt_BR.UTF-8 UTF-8
pt_BR ISO-8859-1

Depois execute:

locale-gen

E defina o idioma padrão ao mesmo tempo criando o arquivo locale.conf

echo LANG=pt_BR.UTF-8 > /etc/locale.conf
export LANG=pt_BR.UTF-8

Configuração da Zona Região/Hora

ln -s /usr/share/zoneinfo/America/Sao_Paulo /etc/localtime

Configuração do Relógio em UTC

hwclock –systohc –utc

Caso prefira o Relógio localtime:

hwclock –systohc –localtime

Configuração Data/Relógio

hwclock –set –date=”YYYY-MM-DD hh:mm:ss”

Configuração de Rede no Sistema Instalado

O Arch Linux, também não utiliza mais o arquivo rc.conf para centralizar toda a configuração como antigamente. (Terei que atualizar minhas palestras, essa era uma vantagem tremenda em relação as outras distro, centralização da configuração de rede, hostname e serviço em um só local e um só arquivo) :/

Como a minha rede é cabeada e utilizo DHCP, habilitando o serviço:

systemctl enable dhcpcd@enp0s1.service

Durante o processo de instalação não configurei a rede Wireless somente após… instalei o WICD:

sudo pacman -S wicd

Configuração do Boot

Quase, estamos quase finalizando. Antes de instalar o bootloader, preparamos o ambiente de randisk inicial:

mkinitcpio -p linux

Instalamos o bootloader, Grub2 no meu caso:

pacman -S grub-install
grub-install /dev/sda

E antes de gerar o grub.cfg, instalamos o pacote os-prober para detectar outros sistemas instalados além do Linux:

pacman -S os-prober

Por fim, executamos o comando abaixo:

grub-mkconfig -o /boot/grub/grub.cfg

Alteramos a senha do root:

passwd

E finalizando, saindo do chroot:

exit

Desmontando os discos:

umount /mnt/{home,}

Reiniciando a máquina

reboot

Pós-instalação – Pacotes e configurações

Após o primeiro boot, verifique novamente a rede como apresentado anteriormente e vamos comer pacotes com o pacman 😉

Usuário

useradd -m -G audio,dbus,lp,network,optical,power,storage,users,video,wheel -s /bin/bash <nome-de-usuário>

passwd <nome-de-usuário>

Sudo

pacman -S sudo

visudo

Descomente a linha abaixo (remover o # do inicio)

seu_usuariol ALL=(ALL) ALL

Instalar Vídeo – Intel no meu caso

pacman -S xf86-video-intel

Instalando Gnome

pacman -S gdm gnome gnome-extra gnome-tweak-tool gnome-utils

Codecs

pacman -S gstreamer0.10 gstreamer0.10-plugins gstreamer0.10-base gstreamer0.10-good gstreamer0.10-python gstreamer0.10-ugly ffmpeg libdvdcs

Touchpad

pacman -S xf86-input-synaptics

Office

pacman -S libreoffice libreoffice-pt-BR

Utilitários – da sua preferência

pacman -S tar gzip bzip2 unzip unrar p7zip gparted filezilla xchat pidgin terminator vim geany vlc putty remmina skype firefox chromium flashplugin vlc openjdk7

Os pacotes e configurações é de acordo a necessidade de cada um. Coloquei somente alguns que seja uma base para uma estação de trabalho qualquer.

Cheguei a conclusão que a primeira instalação após essas mudanças pode causar um pequeno susto, mas depois de ler a documentação oficial não chega a ser assim assustadora. 

Mudança sempre virão, modernizar e contestar de forma construtiva é sempre um passo a evolução. Temos que nos adaptar e para isso existem comunidades que estão se ajudando,  me ajudando, ajudando você, à ele, nós todos.
Por isso chegamos ao nível que estamos hoje. Confesso, que para um usuário inexperiente possa ser trabalhoso instalar o Arch Linux atualmente, mas também será de muito estudo e aprendizado.

Não esqueçam de passar por aqui:

Arch Linux – Guia do Iniciante – Português

AFK